Operação Tanque Cheio cumpre prisões e buscas contra esquema de uso de dinheiro público

POLÍCIA

Mandados têm como alvos secretários e funcionários da Prefeitura de Ribeirão Cascalheira

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Ribeirão Cascalheira, deflagrou na manhã desta quinta-feira (27.04), a segunda fase da Operação Tanque Cheio para cumprimento de 12 ordens judiciais tendo como alvos funcionários da Prefeitura, além de secretários do município e o presidente da Câmara de Vereadores.

A segunda fase da operação deu cumprimento a cinco mandados de prisão e sete de busca e apreensão contra os investigados. As ordens judiciais foram expedidas pela Vara Única de Ribeirão Cascalheira, após representação da Polícia Civil, com parecer parcialmente favorável do Ministério Público.

As prisões preventivas têm como alvos os secretários de Finanças, Obras (respectivamente marido e irmão da prefeita), o secretário de Saúde, o responsável pelo abastecimento dos veículos da Prefeitura (outro irmão da prefeita) e o chefe do Departamento de Compras. Todos estão afastados cautelarmente dos cargos.

O presidente da Câmara dos Vereadores, que também foi afastado cautelarmente, e um funcionário da secretaria de Saúde são alvos de mandados de buscas e apreensões.

2ª Fase

Após a deflagração da primeira fase da operação, em março deste ano, foram reunidos elementos indicativos de que os suspeitos tentavam destruir provas, uma vez que, com exceção do presidente da Câmara, os demais trocaram os aparelhos celulares e os respectivos chips telefônicos dias antes da operação. Durante as investigações também foi demonstrado que os suspeitos estavam empregando esforços para influenciar e, até mesmo, coagir testemunhas.

O delegado responsável pelas investigações, Flávio Leonardo Santana Silva, explica que além do esquema de desvio de combustível e emprego de maquinário da Prefeitura em propriedade privada, as investigações apontam outros crimes supostamente praticados contra o município, como compras particulares de material de construção e até em supermercado em nome da Prefeitura.

“As informações levantadas apontam que foram construídas casas com material desviado da Prefeitura, a mão de obra foi paga com combustível desviado e prestação de serviço com maquinário da Prefeitura na propriedade do responsável pela obra”, disse o delegado.

Os suspeitos seguem preso, em cumprimento ao mandado de prisão preventiva e serão encaminhados para o Presídio de Água Boa.

Denúncias

A Polícia Civil esclarece que é importante o apoio da população por meio de denúncias de crimes de que tenham conhecimento. As denúncias podem ser feitas de forma anônima pelo telefone 197 e 181, os dados do comunicante são protegidos e atendente não tem acesso.

Os crimes contra a Administração Pública são extremamente graves, uma vez que atinge uma coletividade de pessoas, principalmente na prestação de serviços básicos como saúde, educação e acabam aumentando indiretamente crimes como roubo, homicídio, latrocínio entre outros.

Polícia Civil – MT

Spread the love

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *